Archive for outubro \26\UTC 2010

Nós saímos na Gloss

outubro 26, 2010

Segue matéria em que nossas autoras deram seus depoimentos e até divulgaram o bloguinho. Pra quem não leu, tá aí!

Anúncios

Uma carta para alguém!

outubro 22, 2010

Escrevo para você, que sabe como me amar.

Que me ama com todos os poros e todas as forças, como se eu fosse a última mulher do mundo. Que me beija enquanto me ama, e pede para que eu seja sua para o resto da vida. Peço a você que entenda essas palavras como rendição a ti, pois quero que você me tenha para sempre.

Quero te perdoar, mas fantasmas aparecem e eu penso em tudo de mal que você fez a mim. Mas em seguida me lembro da noite de ontem. E também na de anteontem e naquelas tantas outras em que você me amou no carro, na sua cama pequena ou em tantos lugares só nossos.

Será que é você? Será que você não vai mudar? Será que você não vai surtar? Porque preciso de você são ao meu lado, mesmo com suas maniazinhas chatas, mesmo com a bagunça que você faz na minha cozinha, mesmo com tudo que você fez. Por que ainda quero você? Por que você é tão torto em tudo, me diz?

Você me perturba como pensamento bobo, que aparece do nada no meio da tarde. E tenho que me controlar para não me molhar pensando nas coisas que só você faz comigo. Lembro do seu rosto pedindo para eu dizer quem é meu homem e mandando em mim na parte que mais sou dona de mim. Quero ter você toda hora, penso nos nossos filhos em uma soneca enquanto fazemos amor num sábado à tarde.

Penso em nós brincando de leão e em você pedindo para que nosso cachorro seja um labrador bobão e se chame Ollie. Planejar vidas, coisas de namorados. E eu planejei não te ter nunca mais, e tão rápido você voltou, me implorando um perdão que não sei se virá. Mas te quero tanto. E cada vez que passamos a noite juntos, tenho vontade de encarar o mundo para tê-lo novamente.

Eu acho que sou sua novamente, mas se você pisar na bola, eu vou arrancar seu “brio” fora. Risos.

By the way, isso não é sexo. É amor.

Tua,

Mariana

Trilha Sonora: Every Morning – Sugar Ray

Recebi por e-mail e adorei!

outubro 14, 2010

“O aborto” e o que penso sobre ele.

outubro 9, 2010

Estou em um Seminário, e acabei fugindo para os computadores, com uma sede de escrever. Estou muito puta com algo e resolvi desabafar. Primeiro nunca falamos de política e nem pretendemos, apesar de minha inclinação partidária, minhas amigas me matariam por isso. Porém, algo nessas eleições me deixou realmente chateada e este tema meus caros, estava para entrar neste blog há tempos: Ser contra ou a favor do aborto?

Não estou aqui para ser falsa moralista ou levantar bandeiras feministas, mas o aborto hoje ainda é tabu no Brasil e nós, mulheres modernas (e não feministas), devemos falar abertamente sobre isso e expressar nossa opinião: Se é não, porque não. Se é sim, porque sim! Acho que antes de qualquer coisa, precisamos pensar o que é certo ou errado dentro da sociedade brasileira e levantar a situação social precária em que estamos.

Sim, sou a favor da descriminalização do aborto. Mas também, sou a favor de uma política instituída em relação a ele. O fato é que os Brasileiros, de uma maneira geral, são um pouco acomodados. E há um medo de que o aborto se torne uma prática anticoncepcional.

Bom, vou aos poucos falar sobre o que penso e tentar organizar minhas idéias. Mas desde que o mundo é mundo, mulheres se enfiam em locais proibidos para a prática abortiva. Na Grécia, na China, no Japão e em mais milhares de lugares, em algum momento da história do mundo, ter filhos foi um problema. Hoje, na maioria dos países da Europa, mulheres podem escolher entre a gravidez ou não até o terceiro mês de gestação – Isso se chama livre arbítrio e é nisso que eu acredito: A gestação pode ser uma escolha até seu terceiro mês, segundo a minha opinião – os religiosos que me perdoem! Não estamos falando de alma, espírito, mas MUITOS médicos defendem esta prática, e ainda afirmam que o feto até este período não está formado, e a prática do aborto não prejudicaria a saúde da gestante.

Trazendo para a realidade brasileira, sei de casos simples (sim, pessoas próximas a mim cometeram este tipo de “delito”) como tomar remédios abortivos comprados no mercado negro; também sei de casos de abortos realizados em clínicas porcas ilegais, mas também sei de casos de mulheres que abortaram com agulhas de crochê (imaginem a cena e choque-se!). Histórias dos anos 50, 60, 70, 80, 90 e 2000. Aí me pergunto: Por que ainda não tratamos o aborto como algo prioritário em nossa vida e sociedade?

Não acho que o aborto deva ser método anticoncepcional de forma alguma, como já citado acima, mas o Brasil precisa discutir essa questão, porque sexo é cultural também em nosso país, e não podemos simplesmente fechar os olhos para isso. Por isso, as mulheres devem se juntas e pensar, juntas, no que seria o ideal para nossa sociedade. Sem falso moralismo, ou questões éticas, sociais e religiosas. Hoje, é uma urgência – Queremos ou não bebês nesta sociedade?

No meio disso, vejo uma eleição retrógrada, onde TODOS os candidatos resolveram usar o aborto como arma de ataque. A minha primeira opção de voto, Marina Silva, derrotada no primeiro turno, é contra a prática do aborto. Porém, seu partido (e meu partido) é completamente defensor da causa. Os Verdes da Europa foram grandes responsáveis pela exceção feminina no Velho Mundo e defendem com unhas e dentes o livre arbítrio. E é quase nisso que acredito também.

Portanto, este é um primeiro texto reflexivo em que levanto o assunto do aborto. Já defendi o uso de preservativos, pílulas, entre outras coisas. Não estou esquecendo o resto. Mas simplesmente acho um absurdo a nossa sociedade estar estacionada no tempo. O que eu gostaria? Não sei! Gostaria só que as pessoas parassem para pensar em como seriam suas vidas e as vidas dos amigos (as) se pudéssemos escolher em relação a ter um filho ou não.

Sim, DEVEMOS usar camisinha. Mas uma gestação, meus caros, deve ser tratada como linha de frente na prevenção de DST´s e Gravidez Indesejada. Filho não é doença, é benção: Ele também deve nascer como uma dádiva.

Eu, Mariana Perin, inicio uma campanha agora em prol da descriminalização do aborto. Inicio nominalmente em um blog sobre relacionamento por razões simples – Falamos sobre sexo!

Os responsáveis pelas Políticas Públicas de Saúde devem pensar nisso. Lendo este blog (link aqui), discordei da postura e militância radical política da autora, porém, concordo que estamos “andando para trás” nessas eleições. Eu vou votar em quem defender o direito das mulheres. E se ninguém defender meus ideais, serei obrigada a votar NULO.

(OBS: Gostaria de deixar claro que esta é uma posição minha e não envolve a opinião das outras autoras, amigas e parceiras de blog! Elas poderão opinar por elas mesmas, se quiserem, afinal, pregamos o livre arbítrio.)

Trilha Sonora: Grávida – Marina Lima