Arquivo por Autor

Quando sobra nada…

janeiro 28, 2011

Estava conversando com um amigo e concluímos que é muito, mas muito ruim quando não sobra nada do relacionamento anterior!

Ruim olhar para a pessoa que te fez suspirar, fez seu coração bater mais forte, te fez fazer planos e chorar, para simplesmente não sentir nada, nem fazer questão de lembrar de nada… esquecer trilhas sonoras, datas, olhares e toques… Acho que isso acontece quando nos decepcionamos demais, na maioria das vezes é porque depositamos muita energia em algo que descobrimos tempo depois que nunca existiu ou que teve tempo de validade. No meu caso, foram tantos desencontros, que hoje eu reflito sobre o quanto tempo e tamanha energia que depositei em algo que deu em nada…

Hoje feliz, completa e refeita, volto a acreditar no amor e nas coisas boas que ele é capaz de trazer, coisas essas que não tive antes… talvez esse seja o maior motivo de nada sobrar!

Trilha Sonora – Não Adianta – Trio Mocotó

Nós saímos na Gloss

outubro 26, 2010

Segue matéria em que nossas autoras deram seus depoimentos e até divulgaram o bloguinho. Pra quem não leu, tá aí!

2 semanas e 1/2 de amor

setembro 18, 2010

Demorei a decidir escrever esse texto, pois muitas coisas me impedem, talvez a maior delas seja não querer lembrar de tudo que vivi nas 2 semanas mais intensas da minha vida. Outra que quero que seja um texto perfeito, que eu não deixe escapar nenhum detalhe.

É difícil para mim uma mulher de quase 30 assumir que da minha listinha (de quase 30), um menino de 20 anos fez toda diferença e mudou toda minha história de vida de uma vez por todas. Tudo começou com um contato inocente através da internet com um fim comercial. Desde o primeiro contato, sua foto no MSN me chamou a atenção. O achei lindo, um menino de pele lisinha, cara de bebê – sem contar com sua simpatia e educação, uma pessoa gentil como nunca tinha visto. Pensei: Ele é tudo que uma menina de 19 anos adoraria conhecer! Logo pensei em uma amiga de 19 anos que precisava conhecer um rapaz “urgente” naquele momento de sua vida e não tive duvidas: Armei para eles se conhecerem. Porém, já não deu certo desde o primeiro minuto, pois a atenção dele já estava toda voltada para mim e não conseguíamos  parar de nos falar. Tudo tão igual entre nós… Chegava a ser engraçado e nos assustava em certos momentos.

Eu já contava os minutos para encontrá-lo no nosso mundo virtual e passava o dia esperando por esse momento, momentos em que descobrimos mais coisas em comum e que mais nos fazia ter vontade de nos conhecermos pessoalmente.

Eu só conseguia pensar que, com toda minha experiência, eu ia espantar o menino caso algo a mais rolasse. Pensava assim: “Coitado, 20 aninhos não sabe nada”…

Eis que eu estava envolvida com uma pessoa e comecei a quebrar a minha cara, ao mesmo tempo continuei o contato com ele e decidi conhecê-lo pessoalmente. Fui para o encontro como se eu tivesse 15 anos, ansiosa, com medo, mas firme e forte no meu pensamento: ” É só um menino”.

Fecho os olhos e posso lembrar como se fosse agora, ele vindo com aquele jeito de menino, suas calças caindo, de moletom, com o capacete na mão, andando em minha direção. Quando me viu, abriu um sorriso enorme e lindo, o mais lindo que já vi. Ele sorri com os olhos, com a alma e com o coração. Me deu um beijo no rosto e um abraço tão apertado e sincero, que só sentia seu coração bater no meu peito e seu perfume delicioso.

“UFA!”, foi essa a nossa reação. A sensação de que esperamos a vida toda pra nos encontrar e o abraço foi o grito de alivio por termos nos achado nessa vida.

Eu estava super nervosa com aquele menino ali na minha frente, com aquela boca com o mais lindo sorriso, que só falava palavras de otimismo, amor e fé desde o primeiro momento. Num susto ele me surpreendeu e me calou a boca com o beijo mais quente que eu já experimentei, junto ao beijo veio uma explosão de sentimentos que surgiram de repente sem avisar, sem pedir licença para entrar nas nossas vidas e foi devastando tudo e derrubando tudo que existia pela frente – Nossa diferença de idade, nossa diferença religiosa, nossos princípios e muito mais.

Meu Deus! Sua boca era perfeita, não só para sorrir e para falar coisas que mexiam comigo, era doce, macia e tinha movimentos precisos, nos momentos certos, não queria mais sair dali, nos calamos para dizer tudo que queríamos naquele beijo sem fim. Aquilo era muito surreal pra mim. Não conseguíamos mais nos soltar, era um sentimento tão maluco para um primeiro encontro, uma coisa inexplicável, que chegava a doer, não conseguia mais ver o seu rosto de tão perto que ficamos um do outro nesse dia, parecia que o mundo ia acabar e queríamos nos consumir o mais rápido possível. Conseguia sentir seu gosto, sentir seu cheiro entrando na minha alma e causando a melhor sensação que eu já senti. Beijá-lo me trazia uma paz, uma paz celestial, como se tivesse sugando de dentro da minha alma todo o mal que tinha dentro de mim, todas as coisas ruins que a vida me deixou de herança. Acho que nunca tinha passado por isso, eu estava no céu de verdade e eu não queria mais voltar. Desse dia pra cá tudo mudou na minha vida, nunca mais as coisas serão a mesma com relação a muitos aspectos.

Às vezes passo o dia lembrando-me sobre nós, num quarto de Motel, como se o mundo não existisse lá fora. Toda hora tenho flashes do seu corpo nu de menino, sua pele branca e macia, das suas tatuagens na coxa e de uma frase de uma banda que eu amo no pé. Um dia o observava tomar banho e me lembro de seu sorriso para mim debaixo do chuveiro enquanto deixava a água cair e passava a mão no cabelo enquanto eu só observava sua perfeição.

Lembro de nós dois dentro de uma banheira e ele brincava como uma criança com a água e a espuma. Suas brincadeiras, sua coragem, sua falta de medo do mundo, sua vontade de viver de um menino de 20 anos me encantavam.

Amava ouvi-lo falar de Deus para mim, me explicar coisas que eu nunca entendi, nunca aceitei e mesmo com toda minha revolta, me fez acreditar e  pensar em coisas Divinas que nunca dei importância e nunca admiti ouvir da boca de ninguém.  Mas seu jeito de falar de Deus sempre foi muito especial e diferente e não tinha como eu não gostar de ouvi-lo, e confesso que até hoje me lembro de muitas das suas palavras e aplico a minha vida.

E os nossos abraços infinitos?  Parecia que queríamos entrar um dentro do coração do outro para tentar saciar aquele sentimento devastador que fazia doer de tão bom. Nenhum abraço, nenhum beijo, nenhuma transa eram suficientes para acalmar a explosão que tínhamos dentro de nós – Eram sentimentos misturados e queríamos mais e mais um ao outro e quanto mais o conhecia, mais me surpreendia e mais queria conhecer.

Surpreendi-me com o seu sexo e falo para as pessoas hoje que se um homem mais velho soubesse o que um  “moleque” de 20 anos tem e  é capaz de fazer  na cama com uma mulher, ele viveria com medo de ser traído e cuidaria  bem melhor das sua  mulher. Eu que achava que sabia de tudo e que já tinha visto de tudo quebrei minha cara.

Realmente ele chegou e foi embora como um furacão, levou muita coisa ruim e ao mesmo tempo levou fantasmas do passado embora, assim, tornando-se um marco na minha vida. Mas o menino também deixou suas marcas: tristezas, decepções e saudade, muita saudades. Penso nele a todo o momento, tenho vontade de sentir toda essa sensação melhor do mundo de novo.

Sem medo de falar eu digo: foi o melhor sexo da minha vida. Seu jeito de quem sabe o que tava fazendo e o que queria fazer, seu jeito de se entregar, de me abraçar e me fazer sentir que ele estava ali não só com todo seu vigor, mas com toda sua alma,que estava sentindo o mesmo que eu.

Tenho que confessar algo muito íntimo aqui (afinal esse blog é pra isso): O jeito que ele se movimentava e se mexia dentro de mim, o jeito que ele me fazia senti-lo dentro de mim foi o que me levou ao êxtase, foi com certeza a marca do seu sexo, foi o que fez ser incomparável, inesquecível e ainda é o motivo de muito dos meus delírios e dos meus sonhos. Posso dizer que penso nisso inúmeras vezes ao dia, inclusive em momentos muito impróprios. É algo INEXPLICÁVEL e que talvez nem ele saiba do estrago que ele faz. Sei que nos amamos, sei que o amei e que sempre vou amá-lo de alguma forma.

Lembro-me um dia que levamos um cd do The Smiths e transamos a noite toda freneticamente ouvindo esse som repetidamente e o mais intenso e o mais cheio de amor dia que vivi. Mais parecia uma despedida, pois ali eu sabia que iria perdê-lo a qualquer momento e o perdi. O perdi para as nossas diferenças que não resistiriam ao preconceito do homem, da sociedade e talvez ao tabu que colocamos dentro de nós mesmos. O perdi para alguém que jamais poderia ou poderei um dia medir forças ou poder e nem quero isso.

Eu o perdi sim, para crenças e valores imensuráveis. Eu o perdi para a fé – tanto dele, quanto minha. Escolhas que fazem de nós pessoas melhores, porém, piores por estarem distantes.

E assim foi como eu “profetizei”. Ele se foi em duas semanas, e nesse tempo, vivi os melhores momentos da minha vida, experimentei os sentimentos, os prazeres mais fantásticos que eu conheci e sei que conheci uma das pessoas mais fantásticas e que agora, disso tudo só me resta saudades e mais saudades.

Trilha Sonora: Last Night I Dreamt that Somebody Loved Me – The Smiths 

Memórias… dela pra mim!

agosto 4, 2010

Hoje recebi o convite para ser leitora de um blog incrível! Honrada me sinto de fazer parte das lembranças e pensamentos de uma amiga arretada e linda de morrer! Vale a pena visitar o blog, caso tenha interesse em ler o conteúdo, me avise que eu peço pra ela te convidar também!

Essa minha amiga é uma guerreira, como poucas que conheço! Forte, mãe em tempo integral e também uma super amiga querida que levo no coração! Obrigada por sempre e principalmente por me lembrar que tudo isso é pra mim, pra nós e não pra ” eles”!

Vasculhando nas memórias algum assunto, encontrei a carta que eu rabisquei na capa de um livro: “pra você”, era o destinatário. Não sei por que não mandei, talvez não quisesse passar a limpo o passado. Em letras garrafais eu te dizia: “acertei o caminho não porque segui as setas, mas porque desrespeitei todas as placas de aviso”. E achei curioso eu usar essa metáfora sem nem ao certo saber o que queria te dizer com isto. E depois de repousadas aquelas palavras eu percebi quanta coisa eu escrevi pra você, querendo dizer pra mim. Porque eu jamais chegaria aonde cheguei se só andasse em linha reta. Tive que voltar atrás, andar em círculos, perder dias, perder o rumo, perder a paciência e me exaurir em tentativas aparentemente inúteis pra encontrar um quase endereço, uma provável ponte: a entrada do encontro.Você tão ocupado com seus mapas, tão equipado com sua bússola, demorou tanto, fez sinais de fumaça e não veio. Você simplesmente não veio. Mas me ensinou a intuir caminhos certos, a confiar nos passos, a desconfiar dos atalhos. Porque eu estava do outro lado e só. Sem amparo. Mas caminhava. E você estava absolutamente equipado com seu peso. E impedido de andar por seus medos.  By Mô

Trilha Sonora: Every Day I Love You Less and Less – Kaiser Chiefs

Bj Lora, Michelle

Vantagens e Desvantagens de morar só!

maio 7, 2010

Ahhhhh eu seria capaz de fazer uma lista imensa de coisas boas e outras nem tanto, afinal, nem só de dias brancos vive-se um independente.

Moro sozinha há tanto tempo, que nem sei mais como seria dividir o “meu” espaço com alguém e confesso que estou curiosa para redescobrir isso de novo!;)

** Vantagens:

– A casa nunca fica vazia, mesmo que você queira e quando você pede, ela é só sua, seu único e confortável refúgio;
– Os amigos se convidam e isso é muito bom, porque afinal você faz com que todos sintam-se em casa;
– Economia e segurança na certa, ao invés de barzinho, a balada é no seu cantinho;
– A geladeira fica cheia de baboseira, cerveja, limão, danone, vodka e afins… comida de verdade que é bom, só pedindo delivery, ou quando as meninas resolvem invadir sua cozinha e fazer uma janta coletiva;
– Na dispensa você encontra miojo, enlatados, sopa de caneca, gelatina e suco de saquinho, em alguns casos algum pacote de macarrão e molho, já que é a pedida mais rápida;
– Ha quem se engane em pensar que só porque somos solteiras, nossa casa é um motel, e não é mesmo! Tá querendo uma farra, pague um motel, é o mínimo, em casa, só amigos e festinhas para os mais íntimos;
– Obvio que um ou outro escorregão acontece no banheiro, no corredor ou na cozinha, afinal, durante alguma festinha, dá pra fazer vista grossa;
– Essas e outras coisas divertidíssimas que só acontecem na propriedade dos solteiros….

** Desvantagens:

– Sujeira, reclamações da vizinhança, fofoca da vizinha chata;
– A falta de silêncio e privacidade algumas vezes;
– A falta de bom senso do amigo engraçadinho daquele seu amigo que quase não se socializa, mas também não saca que tem hora pra ir embora;
– Alguns otários que resolvem te ligar de madrugada só porque você mora sozinha e acham que sua casa é uma “zona” e podem ir com outros amigos para farrear;
– A falta de comida e de itens saudáveis na geladeira;
– A falta de ter alguém pra cuidar de você quando você está doente;
– Como nem sempre estamos “felizes”, morar sozinho é um grande aliado desses dias “infelizes”;
– Não ter pra quem reclamar que o dia foi um saco, que sua chefe é uma imbecil, que aquela pessoa de outro departamento não sabe o que faz e blablabla;
– Também não ter com quem confidenciar aquela paixão, aquele amasso, fofocar, falar mal pro puro prazer entre outras coisas….

Não é fácil morar sozinha e mesmo sendo super próxima das minhas amigas, temos vidas independentes, cada uma com seu trabalho, suas frustrações, saudades, angústias, medos e desejos…

Eu, por exemplo, só noto que estou sozinha quando fico doente ou quando é domingo, que fico sozinha em casa, sem ter o que fazer, sem ter com quem conversar ou reclamar…
Faz 3 dias que estou em casa e tô surtando, com dor e sozinha… é a vida, né?

Mas ser independente é uma troca que se faz com a vida e ainda acredito que é uma das melhores trocas que eu já fiz, porque eu ADORO morar sozinha, mesmo que isso implique em ficar triste de algumas vezes!

Trilha Sonora: Hoje Eu Quero Sair Só – Lenine

Um Oi rapidinho!

março 23, 2010

A vida realmente nos reserva surpresas interessantes… Engraçado como uma ida ao banco, pode render algumas borboletas temporárias no estômago! rs

É claro que contato visual é extremamente importante, mas se não deixamos claro nosso interesse, é capaz de perdermos uma ótima oportunidade por simplesmente calar, então pessoas, vamos falar? Vamos parar de ter vergonha de sentir vontade?

Geralmente as mulheres são mais reservadas, sentem vergonha, não querem se “expor” por medo do que o outro vai pensar e coisas desse tipo! Acho que deixar a vontade transparecer, faz parte do amadurecimento, entre outras coisas, óbvio que não precisa ” esfregar na cara” como diz o popular, para não ser vista como vulgar, tem que ser algo sutil, para ser sexy e provocante!

 Esse post nada mais é que dizer que as meninas desse blog estão passando por um momento intenso de transição, cada uma com sua particularidade, mas que sabemos que estamos em dívida com os leitores do blog, com os curiosos de plantão e com os amigos que nos acompanham… e que também mencionei o banco, porque foi uma experiência pessoal, muito bem resolvida e delisiosamente comprovada, mas que a arte de seduzir e atrair, pode acontecer na padaria, na esquina, no ônibus, no trânsito ou em qualquer lugar, desde que você esteja aberto e receptivo aos sinais!

Até breve…

Trilha Sonora – Girl, You´ll Be a Woman Soon – Urge Overkill

Nós temos um caderninho!

janeiro 29, 2010

Nós temos um caderninho. Neste caderninho, anotamos algumas coisas que queremos, sonhamos ou experiências pelas quais vivemos. Esse caderninho é único, e mora na casa de uma de nós. Quase uma caixa de Pandora.

Certa vez, criticamos nosso próprio caderninho. Julgamo-nos crianças por tê-lo, mas no fundo, ele serve como controle de nossa vida, coração e o que queremos para o futuro. Muitas vezes, mulheres ficam presas no passado, achando que estes carmas devam permanecer em suas / nossas vidas. Mas o caderninho é algo construtivo.

Escrevemos o que queremos, o que aspiramos e refletimos acerca do nosso passado. Também conseguimos constatar o quanto fomos caridosas em permitir que uns quaisqueres habitassem nossa vidinha por poucas horas.

O pequenino foi presente da Priscila, no natal de 2008. Não imaginávamos o que ele viraria. Estávamos na praia e começamos a escrever coisas por lá. Desde colocar na ponta do lápis pessoas especiais com quem tivemos algo, a pontuar acontecimentos banais em nossa vida sexual.

Depois de mais de um ano, resolvemos abrir a caixa de Pandora novamente e nos deparamos com tantas diferenças de nosso passado para a nossa atual vida. E mais uma vez, pudemos constatar que somos mulherzinhas modernas que convivem tranquilamente com o sexo e a cidade, e tudo que ele pode trazer de vantagens (e desvantagens) para o nosso cotidiano.

E cacete, como a gente deu para caras que não prestam! E isso é absurdo, porque a gente perde tempo com uns tipinhos. Até policial, produtor, advogado tem na lista. Mas algumas pessoas valeram tão a pena, pois destas tiramos referências, gostos, amizades e vemos o quanto alguns homens tem realmente H de verdade e são pessoas que nos fazem sorrir. Não… Não significa que sentimos algo por eles, mas que relacionamentos constroem.

Presente não se constrói sem passado, mas o passado precisa saber onde ficar e quando ele viaja no tempo, lutamos para que as coisas sejam escritas conforme seu destino.

Portanto meus caros leitores, um caderninho deve pontuar o que construiu você e devemos riscar, sem menor pudor, aqueles que nos prendem e não nos fazem crescer. Um conselho: Faça você sua lista e risque aqueles que não valem a pena fazer parte do seu futuro, assim, você conseguirá construir um novo você, com novos objetivos.

E para os solteiros, disponham um tempo colocando quais são seus objetivos (sim, pessoas… rs). Coloquem na lista quem vocês querem “pegar”, não querem, quem vocês querem sair para um encontro romântico ou uma noite caliente. Tudo vale a pena. Mas revise esta lista, olhe o Curicullum Vitae de cada pessoa. Seu ano deve ser um ano diferente! E também deixe claro para você o que você quer e para a outra pessoa também. Quer um romance? Quer um affair rápido? Quer um amante? O que você quer?

Para os apaixonados, a dica é olhar bem a sua listinha no passado e reflita sobre alguns erros que você não pode cometer no futuro: Neuras, infantilidades, loucurinhas… Fuja também de rotinas passadas e construa sua nova rotina com o seu amado.

Como diria Fernando Pessoa, “tudo vale a pena, quando a alma não é pequena”. Clichê não é este poeminha e sim fazer listas, e nós, particularmente, adoramos!

10 motivos para votar no Clube da des(Conquista) no quesito melhor blog de 2009 n´Os melhores do Zona Punk

dezembro 5, 2009

1 – Este blog é escrito a seis mãos femininas;

2 – Somos 3 mulheres roqueiras, uma completamente diferente da outra;

3 – Não somos acéfalas;

4 – Falamos de sexo como homens;

5 – Fazemos sexo e não negamos, quer coisa mais rock que isso?

6 – Somos produtoras, não que isso seja importante, mas trabalhamos com música;

7 – O Clube possui leitores héteros e gays, mesmo com o conteúdo extremamente hétero.

8 – Precisamos de mais espaço para continuar a escrever sempre e sempre;

9 – Por que incentivamos a não hipocrisia sobre o sexo;

10 – Por que o Clube da des(Conquista) é bom pra caralho!

COMO VOTAR:

Se cadastre no site http://www.zonapunk.com.br/site/bestof, depois você vai receber uma confirmação de cadastro no seu e-mail. Clique, se logue e comece a responder o questionário. Você pode votar no Fresno, no Cine, na Rita Lee, no Charme Chulo, nas Lipsticks ou em quem você quiser pros outros itens. Mas, no item “Blog do ano”, você deve colocar nossa URL completa: http://www.clubedadesconquista.wordpress.com. Vote e contribua para que essas três moças ganhem um prêmio ou ao menos para que possamos difundir cada vez mais a teoria da desconquista feminina, com muito charme, sexo e roquenrou!

Trilha Sonora: Because the Night – Patti Smith

Preocupação de gente grande

dezembro 1, 2009

Antigamente, nossa maior preocupação em relação ao flerte era pintar as unhas de colorido, passar papel crepom ou stencil roxo nos cabelos. Nossas mães ficavam loucas e nós tingíamos a casa toda dessa cor. Os meninos gostavam – ou não, desta tinta de cabelo que saía em pouco tempo.

Hoje, nossa preocupação se resume em uma palavra: depilação! Quando se fica velha e com a vida sexual ativa, nós temos que estar depiladas o tempo todo, porque nunca se sabe quando algo vai acontecer. Acho que os meninos de ontem, que gostavam dos nossos cabelos coloridos, gostam hoje de mulheres depiladas.

Os anos “zero”, ou melhor, 2000, trouxeram à tona a depilação brasileira, famosa lá fora como “Brazilian Wax”. Porra, vocês sabem o quanto dói fazer depilação? Dói muito, muito mesmo. Ainda mais a famosa depilação “completa”, que arranca todos os pêlos da parte de baixo da região vaginal, deixando somente um bigodinho de “Hitler” para contar história.

Não agüentamos mais. Os anos 80 foram nojentos, sabemos! Mas os anos 90 trouxeram a moda de mulheres com pouco pêlo, não sem nenhum pêlo. É muito difícil nos mantermos depiladas 100% do tempo. Lâmina de barbear? Nunca! Coça demais, encrava os pêlos, dá um desespero minha gente.

Agora dizemos em nome das três: Qual mulher não se manteve peluda por promessa? Qual mulher esqueceu a depilação de lado para usar esse argumento como válvula de escape para não se envolver? Qual mulher nunca caiu nas graças de um homem com H maiúsculo que a comeu (e lambeu) com pêlos e tudo?

E a pergunta que não quer calar, homens e mulheres leitores: Que jeito de depilação vocês gostam? Bigodinho? Peludinha? Aparando os pelinhos do peru e da periquita?

Sinceramente, quando a gente ama muito um homem, a gente nem vê se ele é gordo, magro, peludo ou pelado. A gente vê além de tudo isso. Por quê então os homens vêem tantos pêlos em nós?

E mais, mulheres vêem pêlo em ovo. Adoram procurar sarna pra se coçar. E no fim, é por isso que precisamos estar depiladas 100% do tempo. Fato!

Por: Mariana, Michelle e Priscila.

Trilha Sonora: Autonomia – Dead Fish

Mais um texto de leitores!

novembro 17, 2009

O Clube tem recebido diversos textos leitores, tanto que postamos o conto erótico do Escritor de Contos e outro texto do Dave Lombardi. Ontem recebemos mais um texto de uma leitora, mas ela pediu para não ser identificada, portanto, aproveitem!

“Muitas vezes vejo um homem interessante, aliás, o tempo todo.

Eu particularmente tenho alguns critérios de seleção e só certos “tipos” me atraem, mas deixando a conquista de lado, posso dizer que todos os homens são interessantíssimos, embora nem todos me atraiam, já outros…

Tem aquele tipo que eu geralmente comparo com um vestido, sabe aquela sensação de olhar para o vestido da vitrine da loja e pensar: “que maravilhoso, lindo, amei, quero pra mim, pago o preço que for”, mas na seqüência me deparo com a seguinte situação: “eu não tenho onde usar”.

Então homem vestido pra mim. É aquele para eu ficar olhando, pensando, imaginando, mas no dia-a-dia não funciona, não combina com o meu guarda roupa. Outro tipo, homem cutícula fina, sabe aquela pessoa que tem a cutícula bem fininha, tenho a impressão que ele não tem força, não tem atitude, passa a vida sem grandes desgastes por isso a cutícula não sofre alterações, está igual ao dia do seu nascimento. Logicamente eles até podem ser interessantes, mas no meu ponto de vista é muito broxante para um homem vivido. Existem outros tipos que ainda não consegui classificar, mas logo a minha imaginação vai dar conta disso.

Comecei a escrever sobre isso porque ao me deparar com a foto de uma garota no Orkut eu logo pensei no namorado dela. Ele é sim um homem interessante, mas ela é uma garota sem cutículas. Então pela lógica, ele não deve ser tão interessante quanto imagino, pois homens interessantes têm atitude. Acho melhor ele largar ela, ou levá-la urgentemente ao salão de beleza e pedir pra manicure tirar a cutícula dela bem funda e na seqüência pintar as unhas de vermelho”.

 Por L.C